segunda-feira, 3 de maio de 2010

Aquele que encobre a transgressão busca a amizade

Provérbios 17:9Aquele que encobre a transgressão busca a amizade, mas o que revolve o assunto separa os maiores amigos.

O versículo diz que: Aquele que encobre a transgressão busca a amizade,

Vamos aprofundar?

Advertência: A cada pergunta, tente responder por si mesmo antes de continuar e, se possível, leia calmamente, de forma reflexiva.

Quem busca a amizade?
Aquele que encobre a transgressão.

O que é encobrir?
No dicionário Aurélio temos a seguinte definição:
1.Esconder, ocultar.
2.
Dissimular (1).
3.
Não revelar.
4.
Não deixar ver ou ouvir.

Verbo transitivo direto e indireto.

5.
Encobrir (1 a 3).

Verbo intransitivo.

6.
Cobrir-se de nuvens; toldar-se.

Verbo pronominal.

7.
Ocultar-se. [C.: 50. Part.: encoberto.]

§ en.co.ber.to adj.; en.co.bri.men.to sm.


O que é transgressão?
Ato ou efeito de transgredir; infração, quebra.

O que é transgredir?
1.Passar além de; atravessar.
2.
Desobedecer a; infringir, violar.

O que encobre a transgressão já tem a amizade?
Não, ele busca.

O que é buscar?
No dicionário Aurélio temos a seguinte definição:
1.Tratar de descobrir, de encontrar, conhecer, etc.; procurar.
2.
Tratar de trazer ou levar, adquirir, etc.
3.
Esforçar-se por.
4.
Imaginar, idear.
5.
Recorrer a.
6.
Ir ter a (alguma parte).

Verbo transitivo indireto.

7.
Buscar


O que é amizade?
No dicionário Aurélio temos a seguinte definição:
Sentimento fiel de afeição, apreço, estima ou ternura entre pessoas.

Amizade é um sentimento individual?
Não, é entre pessoas.

Ponto reflexivo:

Em nossos relacionamentos temos buscado a amizade?
Seriamos capazes de renunciar a necessidade de (*)afinidade em prol de um bem maior: a amizade?
E por fim: temos encobrido as transgressões das pessoas buscando a amizade?

(*) Definição do dicionário Aurélio:
Afinidade: 1.Semelhança. 2.Conformidade, identidade. 3.Coincidência de gostos ou de sentimentos. 4.Relação estabelecida por casamento, e que vincula os parentes de cada um dos cônjuges ao outro cônjuge e seus parentes.

Vejamos um exemplo de relacionamento.

Quarta, 28 de abril de 2010, 09h39 Atualizada às 10h38
Saiba como agir no Dia da Sogra
Getty Images

Figura polêmica, o dia 28 de março é dedicado à sogra
Michelle Achkar
Sim, até elas têm uma data para serem lembradas. Dia 28 de abril é o Dia da Sogra. Figura polêmica, controversa e outras vezes odiada, é tema de uma coleção de piadas maldosas e frases do tipo "Sogra não é parente, é castigo", "Sogra boa é a que já morreu", "Deus fez a mãe e o diabo fez a sogra" , entre tantas outras de domínio popular.
O cinema já rendeu muitas homenagens à sua figura, como no filme A Sogra, cujo título original em inglês é Monster-in-Law, trocadilho com mother-in-law. Na trama, Jane Fonda tenta melar o casamento do filho com a namorada, vivida por Jennifer Lopez.
Intromissões, palpites, críticas ou comentários negativos a tudo o que a nora ou o genro fizerem estão entre os comportamentos mais associados a elas. Em geral, os principais conflitos surgem pela falta de respeito ao espaço ou jeito alheios.
O que pode ser justificado como gesto de amor merece atenção e não podem ser tolerados a ponto de causar desconfortos na vida do casal. "É como dizia uma propaganda: educação é bom, e todo mundo gosta. Sogras não fogem à regra e inclusive isso ajuda a manter o relacionamento mais agradável e às vezes suportável!", disse a consultoria de etiqueta Ligia Marques.
Segundo a especialista, o começo da relação irá determinar como será a convivência para o resto da vida. Veja como ligar com algumas situações segundo a consultora:
Conhecendo a sogra
O ideal é que os limites já sejam colocados desde o começo do relacionamento do casal, logo que conhecem a sogra. O erro está em "ser bonzinho" no começo, e deixar a sogra dar muito palpite na vida do casal e, depois, quando casam querer estabelecer limites inferiores para isso. Deixar claro até onde ela pode ir desde o começo é a chave para não ter problemas futuros, mesmo que ela não goste disso no começo e possa colocar o namoro em risco. Pelo menos a moça (ou o moço) já saberá o que vai encontrar pela frente. "Se o casal não fez isso, deverá estabelecer os limites dela assim que possível, sempre com educação e conversas esclarecedoras. Explicar o motivo de não acharem conveniente tais e tais atitudes, e não só proibi-las ou armar um barraco", disse Ligia.
Desrespeito verbal ou críticas constantes
O conselho número um seria ignorar, usando a sabedoria popular que diz que a melhor forma de se atingir alguém é ser-lhe indiferente. O tipo "tanto faz", "falou isso?", "nem percebi". "Mas é preciso ter sangue frio para algumas situações e concordo que este tipo de reação nem sempre é fácil", disse Ligia.
Nesse caso, a recomendação é, em outro momento, não quando ocorre o fato, chamá-la para uma conversa reservada do tipo "Senhora sogra, acho que precisamos conversar alguns assuntos. Não gostei da maneira como se referiu a mim outro dia e acho que isso não colabora em nada para o bom relacionamento familiar. Acho que seu filho(a) se sente desconfortável e triste com este tipo de situação e que também a sua vontade deve ser vê-lo feliz. Se ele me escolheu para sua esposa, a senhora deve fazer o possível para aceitar isso de maneira mais leve. Podemos nos dar bem e nos tornarmos uma família feliz como tantas outras. Quando a senhora tiver alguma questão que acha que merece comentários ou intervenção de sua parte, por favor, venha conversar conosco. Sabemos que os mais velhos têm muitas experiências a nos passar, mas isso deve ser feito de forma respeitosa para que possamos aproveitá-las bem."
Presenteando
Muitas mães deixam bem clara a diferença no tratamento entre filho (a) e parceiro em datas comemorativas, quando dão um superpresente para um e uma lembrancinha para o outro. "O ideal é que haja equivalência. Dar um presentinho pobrinho para a nora ou genro em qualquer situação é provocar avaliações negativas desnecessariamente", afirmou Ligia. Para as mães, o conselho é aproveitar o aniversário para dar algo mais especial para o filhote ou filhota.
Falar mal da família da nora ou genro
Nesse caso é difícil manter o sangue frio, mesmo quando a maldade vem disfarçada por palavras bonitinhas, mas ditas em tom irônico. Rebata:"Puxa! A senhora não acha chato falar assim de pessoas de sua própria família? Tenho uma ideia: por que não conversa com eles e mostra os pontos que a incomodam? Muitas vezes isso é desconhecido para eles e uma conversa pode ajudar a resolver estas questões. Não fica bem para a senhora fazer comentários assim e isso pode virar uma bola de neve prejudicando toda a sua família. Tenho certeza de que a senhora gostaria de ver todos felizes, principalmente seu filho(a)."
Intromissão do parceiro
Se perceber que a mulher ou marido está sendo vitima da mãe e não consegue resolver a questão sozinho, é possível, sim, interceder junto a ela. O ideal é pedir que a mãe deixe que eles resolvam suas questões entre si.
Filhinho ou filhinha da mamãe
Não há nada pior do que filho que defende a mãe incondicionalmente. Mas isso já pode ser percebido logo no começo do relacionamento. Se embarcar numa dessas, não adianta reclamar depois.
Sogra-genro
Muitas mulheres passam a ser superprotetoras e a agir como mãe do marido da filha. Se for exagero, vale dar um toque. O genro deve impor os limites ou pedir que a filha (sua esposa) dê um toque à sua mãe para "pegar leve".
Falar mal da nora para qualquer pessoa, mesmo para estranhos
A analista de relações internacionais Tatiana Souza, 29, estava provando um vestido numa loja, e ao lado havia outra cliente acompanhada da sogra e do filho de um ano e meio. Quando ela olhou para o menino e lançou um elogio, foi a deixa para a avó falar que ele era menor que as outras crianças porque a nora não teve leite para amamentá-lo. "Fiquei com raiva, pois era claro que ela estava querendo alfinetar a nora. E o menino era perfeitamente normal, do tamanho do meu sobrinho da mesma idade", disse.
Filhos
A coisa muda de figura quando o casal tem filhos, e normalmente os conflitos passam a girar em torno dos cuidados das crianças e do que as sogras professam ser o correto, quanto à alimentação, educação e mimos. "Geralmente as questões envolvem a sogra e os filhos do casal: até onde ela pode e deve se intrometer na educação deles e o que fazer se o casal se sentir incomodado", afirmou Ligia.

Fonte: http://mulher.terra.com.br/interna/0,,OI4403386-EI1377,00-Saiba+como+agir+no+Dia+da+Sogra.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário